Camada 1.png

2º Texto Espiritual

 

Série de textos de RES sobre o espírito ou sobre uma vida espiritual? O que é isto mesmo? Este é o segundo texto. Penso numa série de 10 textos.

Dia 13 de março de 2020

RUBENS ESPÍRITO SANTO

  1. Como começar explicando o que constitui ter ou não uma vida espiritual, ou então, em que grau estou vivenciando uma vida espiritual? ZONA DO CRACK EM SÃO PAULO, o que é isto? Em oposição à vida de consumo da Gabriel Monteiro? Pontos da cidade, sítios urbanos e seus significados profundos?

  2. Obviamente tem a ver com encantamento —Rés precisa discorrer sobre isto. Relação intrínseca entre fazer e teorizar. Algo como experienciar no corpo algo. Ter o corpo mercado pelo que acredito. Fúria no olho de vontade de viver. O brilho de quem tem a vida e a morte presente no próprio olho. Alguém com fúria de viver e fazer viver! Vontade presente na expressão, que denuncia minha real situação neste mundo. Minha pele brilhando a vida — não uma pele morta. Não posso consumir o que está morto, o alimento tem que ter vida. Eu tenho que ser capaz de me dar vida. Eu tenho que ser capaz de me esquentar. De gerar calor em mim sem precisar de ninguém. Preciso me esquentar! Me enfurecer com minha vida.

  3. Vida espiritual é quando estou em estado de fúria de viver! Estou pronto a morrer pelo que acredito! Acredito até poder furar a realidade e cair no real!

  4. Tem também relação profunda em como trato minha carência, meu vazio, minha angústia, em como preencho meu tempo — em como estou tampando questões essenciais de aparecerem?

  5. Uso do tempo com coisas superficiais, com coisas desonestas em relação a mim mesmo

  6. Coisas que coloco no lugar, de coisas que não quero enfrentar de frente: comida, sono, bebida, relações inúteis, e assim por diante.

  7. Rés precisa estabelecer as bases de usar termos como: encantamento.

  8. Vida espiritual não é simplesmente acender uma vela ou ter um mestre. Não posso usar o mestre para me desviar, me distrair do meu caminho, do meu destino! Mestre não é fármaco! Mestre não é distração de mim!

  9. Carência?

  10. Vazio?

  11. Preencher meu tempo com trabalho não é um jeito de lidar com a ausência de espiritualidade. Preciso realmente explicar o que entendo por espiritualidade. Vou me esforçar ao máximo para me aproximar deste termo de maneira brutal, seca, sem caricatura de um Deus ou de igreja ou ainda de religião!

  12. Modo de resolver a expiação. Modo de resolver minha carga genética, ou passar a limpo meu romance familiar.

  13. Não posso tampar o vazio espiritual com um cachorro, não posso tampar o vazio espiritual com um namorado (a). Não posso nem mesmo querer tampar meu vazio com uma igreja ou um mestre. Mestre não foi feito para me desviar do meu caminho, mestre é um choque com meu próprio caminho e minha própria angústia sem subterfúgios.

  14. Mesmo a escrita não pode ser um esconderijo! Não posso usar escrever para me esconder de mim, escrita que presta vai me desproteger, vai quebrar o muro. Ou seja, vai me pôr em contato com a dor. Não é um modo de me desviar de minha dor.

  15. Fala: uma fala que presta me desarma. Uma fala potente me abre. Me abrindo posso abrir o próprio dizer. Tenho uma chance real de dizer quando me vulnerabilizo.

  16. Procedimentos diante da dor ou da carência: como vou lidar a seco com minha angústia?

  17. O que é um Gurdjieff? O que é um mestre na minha vida? Por que eles existiram! E vão continuar existindo?

  18. Educação que tivemos no Brasil para lidar com questões práticas: NENHUMA.

  19. O que entra em jogo? Neste mundo volátil do espírito? Pneuma?

  20. Fracasso / reconhecimento / frustração / impotência / incapacidade / insuficiência?

  21. Giacometti? Cézanne? Van Gogh? Arte? Ciência?

  22. Rituais? Liturgia? Transcendência?

  23. Amizade? Namoro? Marido? Profissão? Casamento? Moradia? Casa? Habitação? Ambiente? Alimentação? Bebida? Água? Exercício físico? Dieta?

  24. Morbidez? Bulimia? Anorexia? Depressão? Ansiedade? Apatia? Medicamentos psiquiátricos? Psicotrópicos?

  25. Como ter uma vida espiritual no século XXI? Como atualizar isto no nosso tempo?

  26. Mestre: oposto de uma vida fundamentalista!

  27. Discípulo: oposto de uma vida de sujeição!

  28. Vida espiritual e vida dentro do capital? Como conciliar as coisas?

  29. Tragédia? Dor?

Atelier do Centro - G1

Rua Epitácio Pessoa, 91, República, São Paulo

+55 11 3129-3977 // +55 11 99537-5396 (RES)

Monday - Friday: 8am - 5pm

atelierdocentro@gmail.com

Galpão do Centro - G2

Rua Teodoro Baima, 39, República, São Paulo

Residência Atelier Luca Parise - G3

Rua Teodoro Baima, 51, SL 2, República, São Paulo 

www.lucaparise.co

CECAC - Centro de Estudos Conglomerado

Atelier do Centro - G4

Rua Teodoro Baima, 51, SL 1, República, São Paulo

Atelier do Centro - G5

Rua Teodoro Baima, 88, República, São Paulo

Coleção Àlex Muñoz - G6

Carrer del Segle, 5, Premià de Mar

08330 - Barcelona, España

OPCAC - Oficina Prática Conglomerado Atelier do Centro

Rua Teodoro Baima, 39, República, São Paulo

www.opcac.xyz

Vernacular - Editora Atelier do Centro

www.ccsvernacular.com

www.medium.com/@carolccs

  • YouTube
  • Instagram

copyright © 2020 Conglomerado Atelier do Centro, todos os direitos reservados